Segundo a PC-AM, o inquérito está em segredo de justiça e referindo-se a decisão que decretou a prisão preventiva de Caio, informou que demonstrou a prova da existência do crime, os indícios da autoria e o perigo gerado pelo suspeito se posto em liberdade